Mídia

Com roupa tecnológica, C. Brait volta aos treinos após gravidez.

Felipe Castro, em treino muscular.       Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Felipe Castro, em treino muscular. Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

A academia TecFit, é especializada na técnica. Foto: Thiago Teixeira/TecFit

A academia TecFit, é especializada na técnica. Foto: Thiago Teixeira/TecFit

Marina Morena e Helô Rocha também usam o método. Foto: Rodrigo Ruiz

Marina Morena e Helô Rocha também usam o método. Foto: Rodrigo Ruiz

O aparelho emite baixa frequência bipolar.  Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

O aparelho emite baixa frequência bipolar. Foto: NILTON FUKUDA/ESTADÃO

09/11/2018 FONTE: Estadão
Compartilhar:

Treino de 20 minutos trabalha até 350 músculos e equivale a três horas de exercícios físicos

Um novo (e exótico) look começou a aparecer no ‘stories’ do Instagram das atrizes e modelos recentemente. Um colete com fios e placas, no estilo ‘roupa de guerra’, que chamou a atenção e despertou a curiosidade dos fãs. O que Thaila Ayala, Bruna Marquezine, Claudia Raia e Sabrina Sato iriam fazer com aquele visual? Malhar. A vestimenta em questão é o equipamento de eletroestimuação muscular, uma tecnologia alemã que virou mania fitness das estrelas.

A modalidade é bem hi-tech e já conquistou uma lista de adeptas no Brasil. Ela funciona através de um aparelho que emite uma corrente de baixa frequência bipolar e movimenta até 350 músculos ao mesmo tempo – alguns deles, justamente, não são atingidos através de musculação ou atividade física convencional.

Os exercícios são feitos com velocidade lenta e sem peso, já que as muitas sensações fazem com que executar o treino até o fim já seja um desafio. O intuito é, claro, obter um corpo sarado mais rapidamente e melhorar a performance em outras práticas. Os atletas Usain Bolt e Cristiano Ronaldo, por exemplo, já se declararam fãs.

“O treino dura 20 minutos e é equivalente a até três horas de musculação, com gasto de 400 calorias”, conta o personal Rodrigo Sangion, da academia Les Cinq Gym, que utiliza o aparelho da marca XBody. “Recomendo a técnica combinada com musculação ou outros exercícios em dias alternados, mas também funciona como única atividade para quem não gosta de malhar. Já podemos ver resultado depois de oito sessões”, explica.

Em São Paulo, há academias especializadas em eletroestimulação muscular, como a TecFit, no Brooklin, que também abriga os aparelhos da XBody. “Estamos lotados. Vamos abrir mais sete pontos até o final do ano”, afirma Felipe Castro, proprietário do local e representante da XBody no Brasil. “O aparelho faz com que vários músculos trabalhem ao mesmo tempo com intensidades diferentes, por isso você pode chegar a um ótimo resultado em pouco tempo”, diz o empresário.

O personal trainer Marcio Lui, outro queridinho das estrelas, conta com treinos com a técnica em seu portfólio. “Na minha opinião, a eletroestimulação muscular serve como um ‘plus’ para as atividades diárias”, explica. “Não substitui a musculação, mas ajuda a potencializar grupos musculares que você não consegue chegar com exercícios convencionais”. Marcio montou uma equipe para atender a demanda de clientes que querem malhar com a tecnologia, e lança mão de aparelhos da marca Miha Bodytech.

No Rio de Janeiro, Lincoln Cavalcante, responsável pelos treinos de Marina Ruy Barbosa, também aderiu à modalidade. “É o que há de mais moderno hoje, não é à toa que os atletas do mundo todo usam há anos. É um treino bem completo, estou tendo ótimos resultados com meus alunos.” A cidade já tem pontos exclusivos da técnica Miha Bodytech em Ipanema e na Barra da Tijuca.

De acordo com os profissionais, a eletroestimulação muscular tem algumas contraindicações. Grávidas, pessoas que sofrem qualquer problema cardíaco e circulatório não podem praticar. Outra questão é que a técnica deve ser o único exercício físico do dia – os músculos precisam de 24 horas de descanso para não ocorrer sobrecarga ou qualquer lesão. Além disso, se você tem como objetivo uma hipertrofia (aumento do volume muscular gerado por exercício físico) grande, a eletroestimulação pode não ser o melhor caminho. “Neste caso, musculação com peso é o ideal”, diz o personal Rodrigo Sangion.